operar por IFR é quando o piloto é orientado pelos computadores de bordo do avião que estão em contato direto com receptores e emissores de sinais no solo ou via satélite.

O Aeroporto de Maricá continua rendendo resultados positivos no que diz respeito aos serviços aeroportuários. Dia 15 de julho, foi publicado a inserção do Aeroporto de Maricá na carta do Departamento de Controle do Espaço Aéreo – DECEA.

Para a Diretora de Operações, Marta Magge, a inserção do Aeroporto de Maricá na carta do DECEA é um ganho para toda a cidade e região: “nós como sistema de transporte aéreo do país, enxergamos que o Aeroporto de Maricá, com a infraestrutura que está sendo formada, traz um crescimento para a região e também para o fomento da aviação, que é muito importante em qualquer país”, explicou Marta Magge.

O Aeroporto de Maricá tem classificação SBMI, dispõe de uma estação meteorológica, tem a inclusão da rádio no ciclo de aeroportos, passou pela homologação de EPTA e pela inspeção para implantação do RNAV. tem a inclusão da rádio no ciclo de aeroporto e agora opera em IFR.  Isso é um grande avanço para o município de Maricá na área da aviação.

IFR (Instrument Flight Rules) o que é:

IFR (Instrument Flight Rules), ou voo por instrumentos é quando o piloto, ao invés de referências visuais, baseia-se nos computadores de bordo da própria aeronave. O GPS (Global Positioning System, ou Sistema de Posicionamento Global) troca informações com outros receptores/emissores localizados no solo ou em satélites e orientam as aeronaves no ar, como no caso de voo em piloto automático, de auxílios de navegação aérea. Isso significa que o piloto pode voar em sua fase de rota do início ao fim, até dentro das nuvens, por exemplo, sem enxergar nada à sua frente. Pois  o piloto passa a executar a separação das demais aeronaves e de obstáculos a partir de orientações dos centros de controle, localizados em solo.

CARTA DO DECEA ( sbmi_rnp-247_iac_20210715-1-1-1.pdf (2 downloads) )

Foto: Marcus Moura

 

 

 

 

Por Roberval Silva.