Dia de colheita na Praça Agroecológica de Araçatiba, em Maricá

Batata-doce plantada em sacos de ráfia em dezembro foram alvo de ação na manhã desta terça-feira (30/04), com agrônomos avaliando o cultivo

A Praça Agroecológica de Araçatiba, em Maricá, virou sala de aula para entusiastas e agricultores familiares. Quatro meses depois do plantio experimental de batata-doce em sacos de ráfia, chegou o momento da colheita e de aprendizados. Entre eles, o da quantia ideal de água.

Cleo participou de curso de capacitação em cultivo. Foto: Leonardo Fonseca

“A gente aprende a observar as necessidades da planta”, disse Cleo Lucinda, que aprendeu a plantar e está empenhada numa horta comunitária.

A colheita fez parte de uma ação conjunta da Secretaria de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento com o projeto Inova Agroecologia Maricá, parceria da Companhia de Desenvolvimento de Maricá (Codemar) com a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). A intenção é incentivar a população a produzir alimentos saudáveis em pequenos espaços, como nos sacos de ráfia.

A engenheira agrônoma Livea Bilheiro deu dicas sobre o cultivo. Foto: Leonardo Fonseca

Aula

Engenheiro agrônomo do Inova, Álan Machado fez a abertura dos sacos com os participantes, avaliou os resultados e deu dicas aos participantes para obterem boas colheitas:

O engenheiro agrônomo Álan Machado explicou como plantar, cuidar e colher batata-doce. Foto: Leonardo Fonseca

“A batata-doce não tolera muita umidade, mas no início do cultivo, nas quatro primeiras semanas, é importante regar bem”, explicou.

Aprendizado

Para Mariana Principe, secretária da pasta de agricultura, essa primeira experiência com cultivo de batata-doce em saco de ráfia esclareceu uma série de pontos para a turma que fez o curso.

Mariana Principe, secretária de Agricultura de Maricá. Foto: Leonardo Fonseca

“É um projeto muito importante, esse de plantação pequeno espaço. No caso, aqui, as pessoas aprenderam a plantar em saco de ráfia. É a nossa primeira experiência, a gente teve problema com a falta de chuva, e a plantação não se desenvolveu bem. Mas é um aprendizado, a gente mostra para as pessoas o que pode acontecer e o que devemos fazer”, disse Mariana Principe.

Segurança alimentar

O cultivo de alimentos em pequenos espaços incentiva dietas mais saudáveis e difunde uma forma de relação mais próxima da população com a natureza. A produção caseira, sem uso de pesticidas, pode ser consumida, doada ou mesmo comercializada.

A nutricionista Mariana Lopes, do Inova. Foto: Leonardo Fonseca

“É um alimento rico em vitaminas e que tem um carboidrato bom, que não é tão prejudicial, mesmo para pessoas com diabetes. Atletas, pessoas preocupadas com a saúde também saem ganhando. Enfim, é um alimento de fácil acesso e que pode ser cultivado em casa”, afirmou Mariana Lopes, nutricionista do Inova.

Programas

Notícias

Agricultores de Maricá recebem capacitação em tecnologias agroecológicas

Curso gratuito dividido em cinco encontros busca difundir práticas modernas que ajudem a produzir alimentos mais saudáveis e de maior valor agregado na cidade Produtores...

Diretor-presidente da Azul Conecta pilota voo do Voa Maricá

Executivo, que também é comandante, foi o responsável pela viagem de São Paulo ao município Os passageiros do Voa Maricá que fizeram o trajeto de...

Codemar e Fundação Mundukide se reúnem e estudam parcerias

A entidade espanhola é focada em organizações cooperativas e atua em vários países, incluindo o Brasil A Companhia de Desenvolvimento de Maricá (Codemar) recebeu nesta...