Visando promover a rotatividade das vagas e melhorar a fluidez do trânsito, a Prefeitura de Maricá, por meio da da Companhia de Desenvolvimento de Maricá (Codemar) e da Secretaria de Desenvolvimento , realizou nesta terça-feira (12/12), na Escola Municipal Joana Benedicta Rangel, a primeira audiência pública para discutir a implementação do estacionamento rotativo controlado pago. O novo sistema será administrado pelo próprio município através da Codemar e os valores arrecadados serão revertidos em investimentos como acessibildade, educação no trânsito, entre outros.
De acordo com o Secretário de Desenvolvimento Econômico, Alan Novais, a administração coordenada pela Codemar mostra que o poder público tem capacidade de gerenciar suas atividades públicas, sem haver a necessidade de privatização dos serviços. “Grande parte do consenso externo é de que o poder público não tem condições de administrar nada, e que tudo deveria ser privatizado. Estamos provando que temos, sim, condições e competência de administrar. Isso tem se confirmado através da EPT e será mais uma vez constatado pela CODEMAR na execução desse sistema na cidade”, afirmou.

Com a instalação do novo modelo serão disponibilizadas 1.840 vagas no total, distribuídas em três setores identificados como sendo os mais críticos da região central da cidade, além das vagas destinadas aos idosos e às pessoas com deficiência.

O presidente da Codemar, José Orlando Dias, destacou que a execução do novo sistema vai possibilitar a vinda de investimentos em educação do trânsito, segurança, tecnologia, acessibilidade, além de contribuir para uma menor poluição ambiental com a redução da circulação dos veículos em busca de vagas.

“A gente entende que com a entrada desse sistema teremos ambientes mais sociais, mais tranquilos, com a conservação dos espaços mais intensa, com a fiscalização em tempo integral, tudo financiado pelas próprias receitas. Vamos ter o maior fluxo de clientes nos comércios devido à proximidade das vagas e vamos ter um pouco da melhoria da poluição ambiental com a redução da circulação de carros a procura de vagas”, disse.

A população teve oportunidade de debater a proposta durante a audiência. O comerciante George Krauzer Neto teme que o impacto no orçamento das pessoas possa diminuis sua clientela. “Eu acho que será um novo ônus que todos vão ter que pagar. Além do mais, meus clientes que vêm de outro distrito de Maricá vão ter que pagar para estacionar o carro em frente a minha loja e isso vai causar um impacto no orçamento da pessoa”, argumentou.

O objetivo do parqueamento de vagas é exatamente coibir a ocupação de vagas próximos aos centros comerciais durante um dia inteiro. Acontece que, muitas pessoas deixam seus carros estacionados na região central da cidade para se deslocarem até outras cidades utilizando o transporte coletivo (ônibus) para trabalhar. Isso faz com que os motoristas que buscam os serviços no Centro tenham dificuldades de vagas para estacionar. A rotatividade beneficiará, portanto, os comércios e os motoristas que vivenciam a economia da cidade.

O morador de Araçatiba, Luciano Tavares, questionou exatamente a respeito da cobrança do valor do estacionamento para as pessoas que trabalham em outros municípios e precisam deixar os carros próximos aos pontos de ônibus da região central.

“Às 4h muitos amigos meus ficam parados esperando uma condução para chegar ao centro. Não passa um ônibus, nem táxi e nem van. Eles se juntam e vão de carro. Agora, eles não vão poder fazer mais isso. Alguém está prevendo o custo que esses moradores vão ter com esse sistema implantado, já que vão ter que parar de colocar o carro ali? Será que vão poder continuar trabalhando no Rio? Será que vai ter emprego em Maricá? Isso tem que ser pensado”, questiona.

De acordo com o planejamento de implementação do estacionamento rotativo, nem todas as ruas centrais serão parqueadas. Por isso, não impossibilita quem precisa se deslocar até a rodoviária para acessar o transporte coletivo e ocupar a vaga por uma diária.

O estudo de implementação do estacionamento rotativo será executado em três fases: Fase 1 – Centro e adjacências; Fase 2 – ruas centrais de Itaipuaçu e Fase 3 – orlas municipais (Ponta negra, Itaipuaçu e Barra de Maricá).

Foto: Elsson Campos