Durante a feira de segurança e defesa LAAD, que aconteceu no Riocentro, na Barra da Tijuca, entre os dias 02 e 05 de abril, o prefeito Fabiano Horta e o presidente da Companhia de Desenvolvimento de Maricá (Codemar), José Orlando Dias, se reuniram com representantes da Força Aérea Brasileira e responsáveis pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) para tratar sobre a regulamentação de utilização de drones de alta potência no Brasil e a instalação de uma torre de controle em Maricá. A Codemar é a responsável pela administração do Aeroporto de Maricá.

“Dentro do planejamento da Codemar sobre as operações do Aeroporto de Maricá, numa terceira fase passaremos a operar cargas e, com isso, é importante a instalação de uma torre de controle. O Decea ofereceu nossa participação num projeto inovador deles, da instalação de uma torre virtual, que além de ser mais segura e com muita tecnologia, teríamos uma considerável redução de custo”, afirma José Orlando.

O interesse de Maricá na utilização de drones é justificado, já que não existe no país uma regulamentação sobre operações de drones, um dos principais elementos do Memorando de Entendimento assinado pela Codemar com a empresa italiana Leonardo, especializada em alta tecnologia aeroespacial, defesa e segurança.

“Maricá está no rumo do desenvolvimento e as tecnologias são muito importantes para otimizar as operações do nosso aeroporto, que se especializou no ramo offshore. Por isso a importância de alinhar junto aos órgãos de controle, para que cada vez esse equipamento sirva de mola propulsora do desenvolvimento regional”, disse Fabiano Horta.

O presidente da Codemar colocou ainda que a utilização de drones será utilizada no aeroporto da cidade. “Com a vinda da Leonardo para o Brasil em parceria com a Codemar, uma das primeiras áreas que devemos instalar em Maricá será a de drones (VANTs). Detectamos que na operação offshore existe uma grande oportunidade para implantar a tecnologia que dependeria somente de regulamentação. E a Codemar iniciou as conversas a respeito desse assunto junto ao DECEA”, afirma José Orlando.

O encontro aconteceu com o Brigadeiro Domingues e o seu diretor de operações, Brigadeiro Bertolino. A Aeronáutica afirmou ter interesse em participar na execução do projeto, inclusive financeiramente, além de contatar as petroleiras. Uma nova reunião deve acontecer no fim de abril, na sede do DECEA, com a participação da Embraer, Petrobras e demais empresas do setor.

Por Roberval Silva.