Parque Tecnológico de Maricá (PQTecMar) do Leste Fluminense

O Parque Tecnológico de Maricá, desenvolvido em parceria com universidades públicas e privadas, possibilitará uma concentração geográfica de empresas de base tecnológica, incubadoras de negócios, centros e laboratórios de pesquisa, criando um ambiente favorável à inovação científica e tecnológica, vinculada ao surgimento de novos negócios.

Parque Tecnológico Sem Fronteiras

A Prefeitura de Maricá, através de sua Companhia de Desenvolvimento de Maricá S/A, vinculada à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, apresenta o resumo dos principais aspectos do modelo do Parque Tecnológico a ser instalado no município de Maricá, em parceria com universidades públicas e privadas, instituições de pesquisa, grandes e pequenas empresas, órgãos de fomento a pesquisa, desenvolvimento e inovação, Anprotec (Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores) e IASP (Associação Internacional de Parques Científicos e Ambientes de Inovação).

Definição: parque tecnológico é uma concentração geográfica de empresas de base tecnológica, instituições de ensino e pesquisa, incubadoras de negócios, centros e laboratórios de pesquisa que criam um ambiente favorável à inovação científica e tecnológica e ao surgimento de novos negócios.

Concepção: o Parque Tecnológico do leste fluminense, cujo núcleo será instalado no município de Maricá, desenvolve-se como uma nova centralidade de referência regional do ponto de vista do desenvolvimento urbanístico, imobiliário, econômico, social e de mobilidade. Insere-se, portanto, na vanguarda da tendência mundial da criação e gestão de ambientes de inovação, da economia do conhecimento e dos ecossistemas de inovação.

Abrangência: considerando a localização estratégica do núcleo do Parque Tecnológico, na área de expansão da região metropolitana e no eixo logístico COMPERJ – Terminais Ponta Negra, as atividades do parque terão efeito positivo no desenvolvimento dos municípios do entorno, em especial Itaboraí, São Gonçalo, Niterói, Tanguá, Saquarema e Rio Bonito, e desempenhará um importante papel na integração regional, proporcionando sinergias entre as atividades econômicas dos municípios da região.

Governança: combina estratégia pública com instrumentos de gestão de direito privado, através de uma direção executiva supervisionada por um conselho de administração composto predominantemente por instituições públicas (universidades, centros de pesquisa, prefeituras e governos estadual/federal) e por representantes de setores que compõem o Parque Tecnológico (investidores, pesquisadores, empresários, empreendedores, residentes).

Implantação: Considerando a complexidade do empreendimento e o grau de articulação entre um grande número de organizações de diferentes matizes, o PqTecMar será implantado em fases no triênio 2019 – 2021. Criação de uma nova Zona Especial do Parque Tecnológico com objetivo de construir uma centralidade de desenvolvimento sustentável e ordenado do Leste Fluminense, que seja um Laboratório de Vivo de Cidades Inteligentes, onde tecnologias, conceitos e parâmetros urbanísticos, imobiliários, de trânsito e serviços sejam experimentados em escala real na cidade de Maricá.

Região do Parque Tecnológico (360º Imersivo)

As atividades do Parque Tecnológico terão efeito positivo no desenvolvimento integrado dos municípios do leste fluminense, graças à localização estratégica de seu núcleo na área de expansão da região metropolitana, vinculada ao eixo logístico Arco Metropolitano – COMPERJ – Terminais Ponta Negra – Pré-sal.

Serão desenvolvidas estratégias específicas para desenvolvimento de APL (Arranjo Produtivo Local) das indústrias, a saber:

  • Óleo e gás

  • Saúde

  • TIC-games-audiovisual

  • Indústria ecoagrossilvipastoril

  • Construção civil

  • Engenharia ambiental e de recursos energéticos

  • Engenharia naval/submarina

  • Tecnologia de base da chamada indústria 4.0.

Modelagem do Projeto:

  • Composto de áreas públicas e privadas

  • Integrado ao município urbanística, social e economicamente

Desenvolvimento Imobiliário:

  • Articulado com a revisão do Plano Diretor e o Plano de Mobilidade

Benefícios esperados:

  • Criar empreendimentos/negócios de base tecnológica.

  • Atrair universidades.

  • Desenvolver soluções de base tecnológica para os desafios municipais e regionais.

  • Promover desenvolvimento regional de forma sustentável e competitiva.

  • Promover desenvolvimento imobiliário

Parcerias estratégicas: