Arranjos florais incentivam negócios em Maricá

Pioneira na arte de criar rede de negócios na agroecologia, o Inova promoveu o curso de arranjos tropicais para profissionais que queiram trabalhar com a composição de arranjos, peças e decorações de ambiente que têm as flores e folhagens como matéria-prima.

Foto: Paulo Ávila

Parte da variedade apresentada integra o horto agroecológico da Fazenda Pública Joaquín Piñero, no Espraiado.

Helicônias, alpínias vermelhas e rosas, sorvetão e bastão do imperador se misturavam entre folhagens, rosas, gérberas, antúrios, flores do campo e crisântemos.

“Estamos proporcionando uma oficina para as pessoas terem a possibilidade de desenvolver habilidades na confecção de arranjos e, dessa forma, iniciar tanto pra uso pessoal quanto para o início de um novo negócio”, explica o coordenador do Inova, João Araújo.

Foto: Paulo Ávila

Os floricultores Armando e Lucinete têm uma parceria de 20 anos trabalhando juntos em eventos coorporativos e familiares, como casamentos e 15 anos. Na oficina, mostraram habilidade e exemplos de como reaproveitar itens de nosso dia a dia para a confecção de arranjos, como utilização de garrafa de vinho, coco e folha de bananeira.

“Trabalhamos com contraste de cores. É muito gratificante olhar pra essa diversidade de plantas tropicais, com a qual conseguimos trabalhar com elas durante o ano inteiro. Trabalho com flores desde os 13 anos. Minha mãe nasceu em um sítio de plantação de camélias, no Alto da Boa Vista. É uma planta sensível e muito usada na época do império. A Princesa Isabel ganhava muitos buquês de camélia. Atualmente os floristas não sabem trabalhar com ela porque existe um método para colher, senão ela morre rápido”, explica Armando Magalhães.

Foto: Paulo Ávila

Morando em Maricá há quatro anos, Lucinete de Souza decidiu decorar uma igreja em agradecimento pela vida do irmão, nos anos 90. Desde então começou a receber encomendas e não parou mais.

“Me apaixonei por essa arte, me especializei e através dela realizei sonhos. Esse desenvolvimento é uma caminhada. No Pan-Americano de 2007, pude desenvolver os ramalhetes para os atletas, além da decoração dos pódios da Olimpíada Rio 2016 e também na Copa do Mundo. Como uma ex-atleta, tive a honra de atuar nesses eventos. Queremos criar um nicho de mercado na cidade e aqui estamos preparando os recursos humanos para que possam desenvolver negócios com esses arranjos”, conta.

Programas

Notícias

Agricultores de Maricá recebem capacitação em tecnologias agroecológicas

Curso gratuito dividido em cinco encontros busca difundir práticas modernas que ajudem a produzir alimentos mais saudáveis e de maior valor agregado na cidade Produtores...

Diretor-presidente da Azul Conecta pilota voo do Voa Maricá

Executivo, que também é comandante, foi o responsável pela viagem de São Paulo ao município Os passageiros do Voa Maricá que fizeram o trajeto de...

Codemar e Fundação Mundukide se reúnem e estudam parcerias

A entidade espanhola é focada em organizações cooperativas e atua em vários países, incluindo o Brasil A Companhia de Desenvolvimento de Maricá (Codemar) recebeu nesta...